top of page
Buscar
  • Foto do escritorRodrigo Tinoco

Honrando o Ministério de DADOS EM MISSÕES

Série REIMAGINANDO MISSÕES:

Honrando o Ministério de DADOS EM MISSÕES

by Chris Maynard | 26 de Agosto, 2023


As informações sobre missões e os dados provenientes de pesquisas de qualidade são facilmente desonrados na resistência contra a industrialização das missões e métodos gerenciais. Mas fazemos isso em detrimento da missão de Deus. Este ensaio explica o porquê e nos incentiva a fazer melhor.



Olá a todos, sou Chris Maynard, membro fundador da Comunidade Global de Obreiros em Informação para Missões (CMIW em inglês - Community for Mission Information Workers) e 'Sinergista' da Comissão de Missão para Informação Missionária. Eu trabalho com dados para missões. Deus me enviou para esta área em 2005 e tem sido um privilégio servir o meu Senhor Jesus desta forma.



1. Uma busca por suporte


Muitas vezes dei por mim a servir líderes (tomadores de decisão) específicos em missões que queriam melhorar as suas decisões com referência aos dados. Eles sabiam que havia fatos relevantes que eles não possuíam e me pediam para usar os dados para ajudá-los a descobri-los. Aconteceu então que todos os líderes missionários a quem servi valorizavam os dados e respeitavam o trabalho que eu fazia. Mas não sirvo apenas os tomadores de decisão. Também atendo pesquisadores e pessoas de dados que os apoiam. E, quanto mais faço isso, mais tenho uma visão mais ampla do que estamos fazendo com informações em missões, especialmente informações que podem ser descritas como dados. Ao fazer isso, encontrei alguns missionários usando palavras estranhas para descrever o que faço, palavras que considero denegrirem o próprio trabalho para o qual fui enviado.


Deixe-me compartilhar um exemplo em detalhes. Desenvolvi, com alguns colegas, um esboço para um livro sobre dados a serviço da missão. Enviei-o para um respeitado pensador missionário que havia manifestado interesse no que estávamos fazendo, e ele logo me enviou um breve e-mail de volta. Ele começou: “Acho que meu principal comentário é que um projeto e um livro como este precisam de contribuições significativas da teologia missionária”. Foi um ótimo começo e exatamente o que eu esperava! Essa foi uma das razões pelas quais enviei para ele: para obter boas percepções. Ele continuou: “Eu encorajaria a reflexão sobre a nossa teologia de pesquisa, coleta de dados e expectativas de impacto”. Isso também parecia bom. Reflito frequentemente sobre a teologia do que fazemos com pesquisas, dados e informações, e procuro contribuições externas. Perguntei sobre o significado de “nosso” naquela frase. “Você tem algo que eu já posso acessar? Isso seria maravilhoso." Ele então respondeu: “Confesso que não tenho muito material pronto para indicar que possa ajudá-lo no que você está fazendo”.


Então, o incentivo dele teria sido bom, se ele tivesse algo concreto para eu refletir. Com esse esclarecimento, ficou frustrante. No entanto, foram os comentários seguintes do meu correspondente que me levaram da frustração à raiva.


Ele continuou: “Se não [ou seja, se você não refletir sobre a teologia que não posso lhe indicar], este [livro proposto sobre dados] poderia facilmente resultar em uma forma de reforçar uma compreensão da missão como tarefa com todos os problemas associada à 'missiologia gerencial'. Penso que seria uma oportunidade perdida de mudar a forma como entendemos a nossa colaboração com o que Deus está a fazer, de pressupostos iluministas para uma compreensão mais bíblica de Deus e da sua obra no mundo. O outro comentário que gostaria de fazer é que a sua definição de missão (encontrar a fé em Jesus) é muito limitante para mim e corre o risco de reforçar visões reducionistas de missão que nos atormentam há tanto tempo”.[1]


2. Uma ofensa contra dados


Meu correspondente me apresentou um problema impossível! Em poucas palavras, ele descreveu um vasto e terrível abismo no qual eu poderia facilmente escorregar, sem nenhuma corda guia pela qual pudesse evitá-lo. Este abismo escorregadio pode ser identificado pelas seguintes frases: “compreensão da missão como tarefa”, “missiologia gerencial”, “pressupostos iluministas” (que estão implícitos como não sendo necessariamente bíblicos) e “visões reducionistas”.


Esta não é a primeira vez que encontro essas palavras e frases. Quando esta perspectiva é apresentada, muitas vezes as palavras “ocidental”, “colonial”, “simplista” e “reducionista” também são usadas de forma depreciativa. Pelo que entendi, parece que eles pensam que aqueles de nós que coletam e usam dados para informar decisões missionárias estão presos ao esclarecimento, ao pensamento não-bíblico e estão necessariamente (embora involuntariamente) vinculando a igreja global a padrões prejudiciais de neocolonialismo.


Não nos é dada saída. A maioria de nós, obreiros de dados globais, ainda somos ocidentais – confere. Qualquer aplicação de dados é uma simplificação do mundo real, portanto a nossa defesa contra as palavras “simplista” ou “reducionista” é fraca – confere. Os dados foram usados pelos colonos – confere. Não existe nenhuma teologia de números disponível para nós (ocidental ou não-ocidental), portanto, “não-bíblico” é difícil de refutar – confere.


3. Como sabemos?


A base de todo conhecimento são os dados. Todas as culturas, em todo o mundo, recolhem dados e utilizam-nos para formar opiniões sobre a sua realidade. É fundamental para a condição humana. Além disso, precisamos de dados em missões. Não apenas quaisquer dados, mas dados bem pesquisados e verificáveis. Os dados nos ajudam a compreender os principais aspectos do nosso mundo. Sem bons dados, as missões seriam guiadas por opiniões subjetivas e conduzidas na ignorância da realidade objetiva. As formas como os dados podem ser mal interpretados ou mal utilizados podem torná-los perigosos, mas é mais perigoso se confiarmos em dados inadequados ou obsoletos, filtrados através dos nossos preconceitos culturais, com base em anedotas, ou através do que os nossos educadores aprenderam com os seus professores há cinquenta anos.


Imagine se os evangélicos na África Subsaariana não soubessem que são agora mais numerosos do que os de qualquer outro lugar. Bons dados subvertem esse perigo. Quando uma europeia me diz: “Fiquei realmente desiludida por existirem agora apenas alguns europeus no corpo diretivo da WEA”, os dados estatísticos ajudam-me a mostrar-lhe por que razão tal situação é inteiramente razoável devido à menor proporção de evangélicos europeus em comparação com para aqueles no resto do mundo. Como poderíamos contrariar a crença de que o modelo de missões hoje ainda é “do Ocidente para o resto” sem dados que provem que o mundo maioritário envia agora a maioria dos missionários? Imagine se o debate sobre a realidade de milhões de crentes em “movimentos de fazer discípulos” fosse baseado em boatos ou em um ou dois exemplos, sem saber o que realmente está acontecendo no mundo. Sem dados robustos, estaríamos num impasse irreconciliável.


Sem bons dados, não perceberíamos que, embora a maioria dos evangélicos esteja fora dos EUA, a maior parte da renda evangélica e dos recursos financeiros para missões ainda está dentro desse país. Sem bons dados, negligenciaríamos milhões de pessoas marginalizadas – sejam elas marginalizadas por diferenças culturais, diferenças religiosas, injustiça ou pobreza. Poderíamos estar passando do outro lado da estrada, ignorando a situação deles, mesmo sem perceber. A Igreja global pode ter rompido com o “Ocidente”, mas os dados mostram que a maioria dos cristãos (tanto não-ocidentais como ocidentais) ainda vive em lugares onde não há muitos não-cristãos! [2] Então, a maioria de nós está “do outro lado da estrada” da maioria das pessoas sem o evangelho para começar. Quer estejamos na Carolina do Sul, no Brasil, no Quénia ou na Samoa Ocidental, podemos tornar-nos muito complacentes e apanhados nos nossos próprios problemas “cristãos”, esquecendo que milhões de pessoas ainda não têm acesso ao evangelho. Precisamos de dados para servir missões, para motivar a igreja global, para cumprir o nosso dever de fazer discípulos de TODAS as nações.


4. Os dados reduzem ou iluminam?


Parte do antagonismo em relação aos dados decorre do seu papel percebido no que tem sido chamado de “missiologia gerencial”, um “processo linear de gestão por objetivos” (Taylor, WD 1999. Missiologia Global para o Século 21: O Diálogo do Iguaçu. PIV, p110). A crítica contra o enquadramento das missões como uma tarefa para completar e subsequente controle de estilo de gestão das iniciativas missionárias começou a sério no final da década de 1980, emergindo após a Consulta Lausanne II de 1989, em Manila. Samuel Escobar estava entre os críticos mais públicos. Ele supostamente falou em nome de muitos outros teólogos do Mundo Majoritário quando chamou Lausanne II de “diálogo de surdos” (Boletim Teológico, 1989. 36) e afirmou que o ethos era dominado por uma “missiologia gerencial” distintamente americana e por uma “missiologia pós-colonial” eurocêntrica (pós-colonial conforme interpretada pelo Ocidente), em contraste com a “missiologia crítica” dos teólogos/missiólogos do mundo majoritário (Escobar, S. em Transformação Vol 8, outubro de 1991).


Escobar foi um dos principais influenciadores da Consulta Global da Comissão Missionária de 1999 nas Cataratas do Iguaçu, no Brasil. Dois de seus artigos e um de Chris Wright foram distribuídos aos participantes antes do evento. Em seu artigo, “Evangelical Missiology: Peering Into The Future” (Taylor, 1999. 101-122), uma ampliação de seu artigo de 1991 em Transformation, ele foi particularmente crítico da “missiologia gerencial”.[3] Escobar popularizou o termo dentro da Comissão Missionária e passou a ser de uso geral em alguns círculos missionários. Ele tinha várias coisas úteis a dizer naquele longo ensaio, que meus colegas obreiros da informação precisam ouvir.[4] Mas um conjunto complexo de questões interligadas foi apanhado na forte crítica de Escobar, que me parece um ataque.


Que eu saiba, as coisas úteis que ele escreveu nunca foram devidamente descompactadas desde a publicação da reunião da Comissão Missionária Diálogo Iguaçu. Talvez nunca tenham sido desempacotados porque o “pacote” era muito desagradável. Por exemplo, escreveu ele:


“…há alguns aspectos do trabalho missionário que não podem ser reduzidos a estatísticas. A missiologia gerencial diminuiu aqueles aspectos do trabalho missionário que não podem ser medidos ou reduzidos a números. Da mesma forma, deu predomínio àquilo que pode ser reduzido a um gráfico estatístico” (Taylor, 1999. 110).


Observe que em cada uma das três frases sucessivas Escobar usa a palavra “reduzido”. Um por um, ele ataca o uso de “estatísticas”, depois de “números” e depois de “gráficos estatísticos”. Ele afirma que cada um deles “reduz” o trabalho missionário. A sua escolha de palavras parece colocar aqueles de nós que criam ou usam estatísticas, números e gráficos para missões num campo “reducionista”.


E se retirarmos estas três declarações importantes da sua “embalagem”? Deixe-me tentar fazer isso aqui, usando basicamente as mesmas palavras…


“Existem alguns aspectos do trabalho missionário que não podem ser esclarecidos pelas estatísticas. A missiologia gerencial diminuiu aqueles aspectos do trabalho missionário que não podem ser medidos ou compreendidos por números. Da mesma forma, deu predomínio ao que pode ser ilustrado por um gráfico estatístico.”


Tudo o que mudei foram as três ocorrências da palavra “reduzido”. Mas agora temos um tema que poderia constituir a base de um verdadeiro diálogo. O problema que ele expõe é que as estatísticas, os números e os gráficos realçam apenas as coisas que podem ser contadas e, portanto, podem efetivamente obscurecer aquelas que não podem ser contadas. O problema não parece ser que os números estejam “reduzindo” alguma coisa, mas sim o contrário. Na verdade, eu poderia razoavelmente ter usado uma frase como “elevado por” no lugar de qualquer “reduzido a”. A sua queixa é que precisamente porque os números nos ajudam a ver mais claramente alguns aspectos das missões, eles estão a deixar outros no escuro. Em termos absolutos, estes outros aspectos não são mais obscuros do que antes, mas quando comparados com o que descobrimos, com o que podemos contar, recebem agora menos atenção. Esse seria um tópico útil para pessoas que trabalham com dados e que não trabalham com dados discutirem juntas.



5. Uma responsabilidade séria


Faço parte de uma Comunidade Global de Obreiro de Informação para Missões.Durante uma década, quisemos “tornar-nos uma comunidade que vivesse à altura das responsabilidades que Deus lhe confiou.[5]

  • encorajamos o uso piedoso das informações - com integridade

  • priorizamos a oração - orando nós mesmos e facilitando a oração através da informação produzida

  • comunicamos uma visão clara do que fazemos com a informação - Como é que Deus a vê?

  • esclarecemos por que a informação é importante - Quais são as suas limitações?


Mas que ajuda estamos recebendo do pensamento missiológico estabelecido para compreender essas “responsabilidades dadas por Deus”? Onde está a teologia útil à qual podemos recorrer? Quem pode nos ajudar a desenvolver um entendimento claro?


6. Uma Teologia Bíblica de Dados


O valor, o uso e os limites dos dados são apenas uma das várias questões que pode ser útil para missiólogos e especialistas em dados explorarem juntos. Afirmar que os obreiros de informação para missões estão presos a uma visão de mundo obsoleta, ou mesmo antibíblica, não promove um diálogo saudável. Por que não fornecer alguma teologia e missiologia bíblica robusta para nos guiar, que seja devidamente contextualizada e relevante para o gerenciamento, análise e aplicação de dados contemporâneos?


Não sou um teólogo profissional, mas posso encontrar algumas pistas mesmo nas primeiras frases da Bíblia. Desde o início, Deus começou a contar (Gn 1:5,8 etc.), a avaliar as coisas (Gn 1:4,10,12 etc.) e a separar as coisas em categorias – às vezes aquelas de natureza diferente (Gn 1: 4), às vezes aqueles da mesma natureza (Gn 1:7). Deus nomeou as coisas (Gn 1), notou ou definiu condições-limite (Gn 5,8, etc.) e identificou diferentes tipos de coisas (por exemplo, Gn 1). Todas essas são atividades regulares para nós que trabalhamos com dados. Até o capítulo 11 de Gênesis, Deus usou mais de cem números para ajudar a comunicar verdades espirituais profundas sobre nossas origens. Então, no capítulo 11, Deus nos dá a primeira tabela de nações – na verdade, uma lista de grupos de pessoas. As listas de grupos de pessoas, apesar das suas fraquezas e do mau uso que por vezes são feitas, continuam a ser uma pedra angular dos dados de missões. Depois, há os vários censos e pesquisas na Bíblia que são precursores do nosso trabalho. Seria bom examiná-los para ver o que podemos aprender sobre o que há de bom e de ruim nos dados e seu uso para nossa participação na missão de Deus.[6]


7. Melhores perguntas?


Não creio que existam apenas duas opções para missões – uma mecanicista, gerencial e orientada por dados, e a outra relacional e liderada pelo espírito. Não ajuda ninguém sugerir que existem, e não nos faz bem ser tão binários em relação às missões. Missões requerem nuances: ambos/e, não um/ou.


Deixe-me oferecer algumas perguntas para iniciar um diálogo saudável. Qualquer um destes pode estimular uma discussão útil e construtiva. Tentarei manter minha frustração longe deles, mas até mesmo as pessoas que trabalham com dados podem ficar emocionadas!


  • Quais são as razões bíblicas para usar números e para não usar números?


  • Como podem os dados apoiar melhor missões orientadas para o relacionamento, pós-modernas, não coloniais, holísticas e policêntricas?


  • Como contar pessoas as valoriza ou as reduz a objetos abstratos?


  • O que há no uso de dados que pode justificar o termo “colonial”? Como podemos evitar isso?


  • Um modelo de dados gerado pelo homem será sempre simples em comparação com a complexidade inigualável da criação de Deus, e Jesus fez frequentemente declarações simples, muitas vezes dando apenas duas opções em vez de tons de cinzento. Então, quando é que o simples se torna “simplista”?


  • Onde nas nossas missões a orientação para a tarefa encontra a orientação para o relacionamento, ou devem ser consideradas inconciliáveis? Podemos usar dados para incentivar a construção de relacionamentos? Alguns dados desencorajam a construção de relacionamentos?


  • Que problemas existem na forma como os dados são usados ​​e que problemas podem ser inerentes aos próprios dados?


  • Os dados de missões tornaram-se fortemente associados ao estabelecimento de metas, especialmente ao estabelecimento de metas para “terminar” algo e/ou fazer algo em um determinado momento. Isso está errado? Existem objetivos melhores e objetivos piores? Os dados podem desempenhar um papel no sentido de nos levar a objetivos melhores?


Qual é o valor relativo (bíblico e prático) que os dados desempenham:

  • Permitindo-nos compreender o que tem sido frutífero?

  • Permitindo-nos monitorar ou avaliar nosso progresso?

  • Permitindo-nos realinhar as nossas ações futuras guiadas pela fecundidade e pelo progresso do passado?

  • Levando-nos à oração?

  • Permitindo-nos projetar o futuro?

  • Encorajando-nos a definir uma direção (para nós mesmos e para os outros)?

  • Permitindo-nos definir metas específicas, realistas e alcançáveis?

  • E quais são os riscos de usá-lo para cada um?


  • Como podemos valorizar as mensagens que os dados nos transmitem, sem diminuir “aqueles aspectos do trabalho missionário que não podem ser medidos ou compreendidos por números” (minha reformulação das palavras de Escobar acima)?


Os dados podem dar legitimidade e peso ao nosso ministério de persuadir e motivar outros. Quais são os locais apropriados para gestão, liderança, administração, estratégia e táticas em missões? Ou cabe a cada um fazer o que é certo aos seus próprios olhos? Isto também se relaciona com o que chamamos de mobilização. Na mobilização, assumimos a responsabilidade de motivar os outros, e uma parte importante dessa motivação é muitas vezes uma apresentação de dados.


Será que tudo isto significa que devemos dedicar mais recursos à recolha, organização, interpretação e publicação de dados, ou menos?


Além disso, porque é que os profissionais de dados normalmente obtêm um bom envolvimento de pessoas missionárias que parecem valorizar a multiplicação de adeptos da nossa fé, e quase nenhum envolvimento daqueles que procuram justiça ou misericórdia, ou daqueles que defendem uma missão mais holística? Suspeito que isto seja parte do que nos deixa vulneráveis a acusações de reducionismo, mas onde estão, por exemplo, os dados das missões sobre viúvas e órfãos? Ninguém nunca me pediu nada, mas ao ler o Novo Testamento me pergunto se seria útil.


Ajudará a avançar os dados das missões se estas questões forem abordadas. Mas quais dessas questões são as mais cruciais?


Pai celestial, oriente nossa discussão para as questões que você mais valoriza e mostre-nos se há questões ainda melhores para abordar neste momento. Amém.


Um apelo final


Seus irmãos e irmãs que trabalham com dados em informações para missões precisariam de um pouco mais de compreensão e ajuda. Não creio que (mesmo com um bom diálogo) chegaremos a um acordo total sobre as respostas a algumas das minhas perguntas, mas se não tiver tempo ou disposição para nos ajudar a lidar com estas complexidades, só me resta um apelo… Por favor, não considere ou acuse todo o uso de dados em missões como sendo simplista e reducionista. Dê-nos graça para continuar a obra que Deus nos enviou para fazer.


Obrigado por considerar em espírito de oração estas palavras e preocupações.



Notas de rodapé

[1] Para ser justo comigo mesmo, descrevi “encontrar fé em Jesus” não como uma definição, mas como um foco de missão. Na minha frase seguinte, referi-me à “justiça” e à “misericórdia” como questões que estão próximas do coração de Deus. (Sou profundamente influenciado pelas palavras de Jesus em Mateus 23:23). Este mal-entendido ilustra como é difícil para pessoas de dados como eu serem ouvidas quando dizemos: “Sei que há um panorama mais amplo, mas os meus dados tratam apenas deste aspecto”.


[2] É verdade que a igreja está agora estabelecida em todos os países do mundo, mas ainda não de forma uniforme. Mais de metade de todos os cristãos vivem num país onde mais de 70% das pessoas são cristãs. Muitos desses países são agora não-ocidentais, louvado seja Deus. Mas entretanto, mais de metade de todos os não-cristãos vivem num país onde menos de 8% das pessoas são cristãs. Para o cristão médio (seja ocidental ou não-ocidental), o mundo intuitivamente parece em grande parte cristão. Somente informações de fora de sua localidade abrirão seus olhos para a situação real do mundo. (E, sim, o “cristão médio” é mulher).


[3] Nota do editor: Embora Samuel Escobar tenha sido um dos principais proponentes do termo “missões gerenciais”, ele remonta à crítica de Kenneth Cragg ao movimento missionário evangélico em seu livro de 1968, Christianity in World Perspective (ver pp. 26-27), onde ele discutiu três consequências significativas das origens europeias e cristãs do movimento missionário. Os três são “o fato do império”, “o fator branco” e o “gerente”. (Ver também Rowan, Peter. 2023. “Should White People Be Missionaries Overseas?” in Mission Roundtable: The OMF Journal for Reflective Practitioners. Vol 18, Issue 1. 16-25. OMF. Disponível em: https://omf. org/resource/mrt-18-1-june-2023-race-ethnicity-bible-and-mission/ Acessado em 25 de agosto de 2023.)


[4] Este artigo não tenta desvendar tudo o que Escobar diz de útil. Aqui, trago apenas um exemplo.


[5] Isto faz parte de uma visão mais abrangente. Ver globalCMIW.org/vision.


[6] Encontrei um livro que faz algo assim para a economia moderna: “Economia do Bem e do Mal”, de Tomas Sedlacek, Oxford University Press.




SOBRE O AUTOR - Chris Maynard


Chris sente que Deus o enviou para as esferas da Informação Global da Igreja, que inclui, mas não está limitada a, o que geralmente é descrito como pesquisa. Como MC Sinergista para Informações Missionárias, a responsabilidade de Chris é manter o MC bem conectado com a comunidade de trabalhadores de informações missionárias e outros pesquisadores missionários em todo o mundo. Ele é membro fundador da Comunidade de Obreiros de Informações para Missões (CMIW) e membro permanente da equipe de facilitação. Suas outras funções/relacionamentos importantes incluem “Registrador dos Padrões de Informações de Colheita”, um órgão neutro que mantém padrões de dados para a comunidade missionária e “Associado da Equipe de Pesquisa Global da OC International”, uma das maiores equipes coesas de pesquisadores missionários no mundo.


Publicação original:

51 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page